O Diabo
– Leon Tolstói

Após a morte do pai, Evguêni descobriu que a família estava afundada em dívidas.

Levantou os compromissos, largou o trabalho que tinha e assumiu a administração da fazenda.

Mudou-se para a propriedade, juntamente com a sua mãe, Mária Pávlovna, e se jogou de corpo e alma na tentativa de recuperar o tempo perdido.

Quando empregado, na cidade, tinha relacionamentos sexuais com mulheres, cujos compromissos não eram exigidos em troca do pagamento pelo sexo.

No campo, isolado, na busca de solução para a modernização da fazenda e viabilização financeira do negócio, se incomodava com a abstinência do sexual.

Sem chamar a atenção dos empregados procurou um velho amigo do pai, para ajudá-lo.

Mulher de soldado russo

Daí em diante, Stepanida, casada com um cocheiro, que trabalhava em Moscou, passou a se encontrar com Evguêni e, em troca, recebia algum dinheiro.

Ela era o tipo de mulher que, na Rússia, chamavam de mulher de soldado.

Uma referência aos soldados que passavam muito tempo fora de casa e suas mulheres, para sobreviverem, mantinham relacionamentos com outros homens.

Evguêni conheceu Liza Ánnenskaia e a pediu em casamento, contrariando sua mãe, Mária Pávlovna, que gostaria que o seu filho casasse com uma mulher de família rica.

Um acidente com Liza, quando gestante, resultou em aborto e o fato quase se repetiu na segunda gestação.

Apesar do amor que Evguêni tinha por Liza e a dedicação que ela devotava a ele e aos afazeres da casa, alguns fatos levaram ao reencontro entre Evguêni e Stepanida.

Enquanto ele procurava se afastar, Stepanida flertava.

Desesperado e apaixonado pela antiga amante, Evguêni, lutou para não ceder aos seus desejos e às insinuações de Stepanida.

Os próprios diabos

Evguêni percebeu que havia perdido o controle sobre si mesmo.

“Ela é o diabo. É o próprio diabo. Matá-la? Sim. Só há duas saídas: ou matar minha esposa, ou matá-la. Porque é impossível viver dessa maneira.”

Tolstói construiu uma novela que mostra os conflitos nas relações conjugais. Impondo, nesse caso, ao homem a tarefa de decidir sobre o caminho a tomar.

Colocou em campos opostos o prazer e o conforto familiar.

A história termina de forma drástica e mostra a vulnerabilidade da mente humana ao se conflitar com os seus próprios diabos.

Leon Nikolaievitch Tolstói

tolstoy-1É considerado um dos maiores escritores de todos os tempos.

Ficou famoso por tornar-se, na velhice, um pacifista, cujos textos e ideias batiam de frente com as igrejas e governos, pregando uma vida simples e em proximidade à natureza.

Foi um dos melhores escritores da literatura russa do século XIX.

Suas obras mais famosas são Guerra e Paz, A Morte de Ivan Ilitch e Anna Karenina. Morreu aos 82 anos, de pneumonia, durante uma fuga de sua casa, buscando viver uma vida simples.

Referência bibliográfica

Tostói, Leon, gráf.: 1828-1910
A felicidade conjugal, seguindo de, O diabo / Leon Tostói; tradução e prefácio de Maria Aparecida Botelho Pereira Soares. – Porto Alegre, RS: L&PM, 2009.
122p. (L&PM Pocket; v.692)
ISBN 978-85-254-1505-9
1. Conto russo. I. Soares, Maria Aparecida Botelho Pereira. II. Título.
(R)

 

1 comentário

  1. Adorei o seu blog!
    Acabei de ler “A Felicidade Conjugal/O diabo”, foram os primeiros livros de Tolstoi que li. E bastaram esses dois para ele já ser o meu autor russo favorito.
    Adorei a sua visão literária sobre o livro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *