a-cabana-1jpgO livro traz uma história que provoca questionamentos referentes ao comportamento humano, a sua capacidade de praticar o perdão e o uso adequado do poder.

Refere-se às leis e regras impostas à sociedade, como um exercício de comando.

A autoridade que ocorre nas relações familiares, religiosas e empresariais aparece como forma de poder e impede a manifestação do amor.

A narrativa simula diálogos para despertar a importância de se vivenciar emoções do presente, sem preocupação com o futuro.

Mentir para alívio

Quando se refere à mentira, o faz afirmando que ela não evita o sofrimento do iludido.

A prática ocorre por insegurança do mentiroso, que não se sente capaz de enfrentar as próprias emoções, tampouco as do enganado, caso tivesse confessado a verdade.

Aborda ainda sobre a capacidade humana de superar as perdas.

O texto pode cativar os chegados a aspectos religiosos, contudo falha por ausência de aprofundamento das questões.

Ao que parece foi escrito para agradar o leitor e faturar financeiramente com a obra.

Não recomendo a leitura.

William P. Young

william-p-young-1William P. Young , nasceu em Alberta, no Canadá, e passou parte da infância em Papua Nova Guiné, junto com seus pais missionários, em uma comunidade tribal.

Pagou seus estudos religiosos trabalhando como DJ, salva-vidas e em diversos outros empregos temporários.

Formou-se em Religião em Oregon, nos Estados Unidos.

 

 

Referência bibliográfica

Young, William P.
A cabana /William P. Young – tradução de Alves Calado. – Sextante, 2008.
Tradução de: The shack.
236p.
ISBN 978-85-99296-36-3
1. Mudança de vida – Ficção. 2.Criança desaparecidas – Ficção.3.Ficção americana. I. Alves – Calado, Ivanir, 1953 -. II. Título.
(R)