Voltaire utiliza temas como religião, teatro, medicina, política e ciência para demonstrar a inter-relação entre a linguagem e o procedimento.

A abordagem faz um comparativo entre o comportamento dos ingleses e franceses, assinala as diferenças entre os dois povos e ressalta o quanto a conduta interfere na vida, no bem-estar e no futuro das nações.

Linguagem e comportamento

linguagem-1Os diálogos, referidos em suas cartas, incitam debates sobre temas que muitas vezes passam despercebidos, a exemplo da conversa com adeptos da seita quacres (tremedores), ao se referir à ausência de padres em seus templos.

“Por que entregaríamos nossos filhos a amas mercenárias, quando temos leite para lhe dar?”

Sobre vacinas, cujo processo era bem diferente do atual, o autor cita.

“Dizem a meia voz na Europa cristã que os ingleses são loucos e temerários: loucos porque dão a varíola a seus filhos para impedi-los de tê-la; temerários, porque transmitem de coração leve a essas crianças uma doença certa e terrível, visando prevenir um mal incerto.”

Acadêmicos e os notáveis

“A necessidade de falar, o inconveniente de não ter nada a dizer e a vontade de ter espírito são três coisas capazes de tornar ridículo mesmo o maior homem.”

As Cartas Filosóficas formam uma espécie de síntese do moderno liberalismo, antevendo conceitos, atualmente aceitos, focados em personagens responsáveis por ideias que provocaram mudanças sociais.

newton

Newton, Shakespeare, Locke, e Swift, são citados como alguns dos causadores das variações históricos.

 

 

Voltaire abre uma perspectiva crítica, a partir da qual o leitor se deleita de forma descomprometida e tem à sua frente o mundo com o retrato aos seus questionamentos.

François-Marie Arouet (Voltaire)

francois-marie-arouet-voltaireNasceu na França em 1694 e ficou conhecido pelo pseudônimo de Voltaire.

Filósofo iluminista é conhecido pela acuidade na defesa das liberdades civis e religiosas.

Escreveu nas mais várias formas literárias.

Sua obra influenciou importantes decisões políticas a exemplo da Revolução Francesa.

 

 

Referência bibliográfica

Voltaire, 1694-1778
Cartas filosóficas / Voltaire; tradução de Márcia Valéria Martinez Aguiar; revisão da tradução Andréa Stahel M. da Silva. – São Paulo: Martins Fontes, 2007, (Voltaire vive)
176p.
Título original: Lettres philosophiques
ISBN 978-85-336-2349-1
1. Filosofia francesa 2. Voltaire, 1694-1778 I. Título II. Série.

(R)

O autor escolhe uma forma inusitada para questionar situações que possam ser encaradas como obras do destino.

As mensagens simbólicas aparecem na forma prosaica, parecidas com os contos que ouvimos dos mais velhos.

As surpresas

Voltaire relata as consequências negativas das boas ações praticadas pelo sábio Zadig e coloca em dúvida se a falta de retorno adequado ocorria por envolvimento com mulheres ou por culpa do próprio destino.

Os ensinamentos remetem à avaliação de muitas de nossas ações.

Mesmo quando boas, podem, também, ser motivos para questionamentos devido aos interesses particulares dos julgadores.

Na situação inversa, quando incorporamos a ação de julgar, muitos dos nossos sentimentos e emoções estão contidos na avaliação e interferem, queiramos ou não, no resultado do ato.

Com maestria, Voltaire, de forma sutil e engraçada, transcorre por zonas filosóficas e crenças religiosas.

O leitor, satisfeito, questiona-se sobre a coerência dos julgamentos e de crenças, e deseja que o protagonista Zadig dê certo, mas, o “destino” lhe prega muitas surpresas.

François-Marie Arouet (Voltaire)

francois-marie-arouet-voltaireNasceu na França em 1694 e ficou conhecido pelo pseudônimo de Voltaire.

Filósofo iluminista é conhecido pela acuidade na defesa das liberdades civis e religiosas.

Escreveu nas mais várias formas literárias.

Sua obra influenciou importantes decisões políticas a exemplo da Revolução Francesa.

Referência bibliográfica

Voltaire, 1694-1778
Zadig ou O Destino / Voltaire
93p.
ISBN 85-319-0681-4
1. Filosofia francesa 2. Voltaire, 1694-1778 I. Título II. Série.

(R)

O texto questiona valores sociais, governos, crença e indica que o mundo deve ser enfrentado na forma como nos é apresentado.

O jovem Cândido, protagonista que dá nome ao título do livro, vide como agregado no castelo do barão Thunder-ten-Tronckh, em Vestefália, província na Alemanha, e tem o mestre Pangloss como o responsável por ministrar os ensinamentos filosóficos que, certamente, ofereceriam as condições psicológicas para o enfrentamento do mundo.

Acidente que altera o destino

candido-2Os ensinamentos do preceptor Pangloss fizeram Cândido acreditar que tudo no mundo está encadeado, para o melhor, contudo, este conceito começou a ser questionado a partir do momento que ele foi expulso do castelo, quando o barão surpreendeu sua filha Cunegundes aproximar-se de Cândido deixando cair um lenço.

O jovem o recolheu e ela tomou-lhe, inocentemente, a sua mão. O rapaz beijou sua mão e, em seguida, suas bocas se encostaram, seus joelhos tremeram e o compromisso perpetuou-se pelo resto das suas vidas.

Cândido foge e segue os ensinamentos otimistas de Pangloss, afirmando que tudo estava bem, apesar do acidente.

O autor sustenta a filosofia com ironia e sutileza necessária a manter-se ileso de possíveis condenações próprias à época.

A saída de Cândido do castelo e o distanciamento do mestre Pangloss promoveram oportunidades para convivências e questionamentos filosóficos, com uma velha que o abrigou, e, também, com o sábio Martinho.

Rota do conhecimento

Voltaire fez o protagonista rodar o mundo, e deixa o leitor perceber as diferenças entre a Europa, países da América do Sul e em especial o território Inca.

Riqueza

No Eldorado, Cândido encontra aceitação e riqueza necessária a enfrentar as vicissitudes que o mundo havia lhe reservado e sinaliza, sutilmente, discordância à filosofia ensinada por Pangloss.

“isto é bem diferente de Vestefália e do castelo do senhor barão; se o nosso amigo Pangloss visse Eldorado, nunca mais diria que o castelo de Thunder-ten-Tronckh era o que havia de melhor sobre a terra; sem dúvida, é preciso viajar.”

Ato de fé rejeitado

Em seguida começa a ouvir os pensamentos filosóficos do sábio Martinho, contrários aos do seu antigo mestre.

Os acontecimentos que sucederam o terremoto que destruiu boa parte da cidade de Lisboa em 1755, serviram de base para questionamentos sobre a violência desembestada à época na Europa.

Ficou decidido um auto-de-fé, que incluiu o sacrifício de pessoas queimadas vivas, para agradar a Deus e minimizar a fúria da natureza.

Voltaire bate na igreja católica com veemência e mostra através da sobrevivência dos sacrificados, no auto-de-fé, que Deus rechaçou a oferenda.

Ceticismo

Ao encontrar um velho turco, que não se envolve com absolutamente nada a não ser produzir alimentos para manter a família, Cândido entra em novo conflito filosófico.

Ao final, Cândido questiona o otimismo de Pangloss, a astúcia de Martinho e o ceticismo do velho turco e conclui referindo-se a uma provocação do antigo mestre:

“isto está bem dito, (…), mas é preciso cultivar nosso jardim.”

Cândido é um texto atual e de qualidade primorosa!

François-Marie Arouet (Voltaire)

francois-marie-arouet-voltaireNasceu na França em 1694 e ficou conhecido pelo pseudônimo de Voltaire.

Filósofo iluminista é conhecido pela acuidade na defesa das liberdades civis e religiosas.

Escreveu nas mais várias formas literárias.

Sua obra influenciou importantes decisões políticas a exemplo da Revolução Francesa.

 

 

Referência bibliográfica

candido-3Voltaire, 1694-1778.
Cândido / Voltaire; tradução Maria Ermantina Galvão. – 3ª ed. – São Paulo: Martins Fontes, 2003 – (Voltaire vive)
Título original: Candide
163p.
ISBN 85-336-1727-5
1. Romance francês. 2.Sátira francesa. 3. Voltaire, François Marie Arouet de, 1694-1778. I.Título.II. Série.
(R)