O Menino de Pijama Listrado
– John Bonye

A ficção, que tem um garoto como protagonista, é baseada nos horrores do holocausto.

Um garoto alemão, cujo pai, foi designado por Hitler, para comandar o campo de concentração de Auschwitz deixou uma casa confortável em Berlin, seus amigos e os avós e passou a morar vizinho ao campo de concentração.

Faltava quase tudo, sobrava crueldade

Ao chegar à nova morada, Bruno, detestou o lugar considerando ser um local sem vida, sem amigos e sem escola.

Não bastassem essas condições, a única pessoa que se aproximava de sua idade era a irmã, Gretel, apesar de competirem em todas as situações.

O escritório de Ralf, seu pai, era na própria residência, fato que promovia o entra e sai de soldados, despertando a curiosidade do jovem.

Bruno tinha o habito de ler histórias de aventuras, logo, despertou o interesse por descobertas de lugares e coisas.

Não tarou a perceber, através da janela do seu quarto, pessoas, além da cerca, usando o que ele chamou de pijama listrada.

Resolveu adentrar no campo de concentração, sem saber do que se tratava, e terminou fazendo contato com um garoto judeu, Shumel, que tinha a sua idade e nascido no mesmo dia que ele.

Sobreviver era a meta

o-menino-do-pijama-listrado-1Após a conversa com Shumel, o qual se tornou seu único amigo, os encontros se tornaram diários, oportunidade que, Bruno, aproveitava para lhe oferecer merendas escondidas nos bolsos da calça.

Os diálogos entre Shumel e Bruno eram recheados de cordialidades, apesar de, eventualmente, haver citações sobre a grandiosidade do povo alemão em detrimento aos judeus.

Nessas ocasiões a situação era contornada pelo garoto judeu, por considerar Bruno a única alternativa de reforçar a fraca dieta do campo de concentração.

O interesse de Bruno era dialogar com alguém disposto a ouvi-lo, já que em sua família, poucos estavam atentos às suas necessidades.

Simbologias e atrocidades

É sabido que na Alemanha, na época da grande guerra, formam cometidas muitas atrocidades contra judeus, contudo, o povo não se rebelava contra a prática dos crimes.

Não se sabe se por temor aos castigos do exército que servia a Hitler ou por conforto do discurso, equivocado, de ser um povo de casta superior aos judeus.

Bruno se contradizia: em algumas situações ele se colocava como defensor dos oprimidos, em outras se incluía entre os que se julgavam superiores.

Certa vez, em uma reunião familiar, Nathali, avó de Bruno, disse ao filho, ao vê-lo com um uniforme novo, após a sua promoção.

o-menino-do-pijama-listrado-2

“Eu me pergunto – será que foi nisso que eu errei com você Ralf. Imagino se todas aquelas performances que eu exigir de você o levaram a isso. Fantasiar-se de fantoche. Você fica aí no seu uniforme como se isso o tornasse alguém especial. Nem se importa com o seu verdadeiro significado. O que ele representa.”

 

 

Holocausto, crimes de guerra

o-menino-do-pijama-listrado-4Ao ser informado, pelo pai, que voltaria para Berlin, juntamente com a sua irmã e sua mãe, Bruno, que já havia se adaptado a Haja-Vista, decidiu, de comum acordo com o amigo Shumel, entrar no campo de concentração e ajudá-lo a localizar o pai, do garoto judeu, que havia sumido.

Essa aventura, idealizada por Bruno, devido às leituras habituais sobre explorações relatadas nos livros que gostava de ler, trouxe uma grande e tenebrosa surpresa.

O texto é escrito na forma direta e simples, recheado de diálogos ingênuos e comportamentos de adolescentes.

Oferece uma visão do holocausto a partir do olhar de uma criança alemã, cujo pai era envolvido nos crimes de guerra.

John Boyne

john-boyne-1Nasceu na Irlanda em 1971.

É autor de vários romances. Dentre eles O garoto no convés, O palácio de inverno e O pacifista.

Os livros do autor foram traduzidos para mais de trinta idiomas.

 

 

Referência bibliográfica

o-menino-do-pijama-listrado-5Boyne, John
O menino de pijama listrado: uma fábula / John Boyne; tradução de Augusto Pacheco Calli – São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
186p.
Título original: The boy in the striped pyjamas: a fable
ISBN 978-85-359-1112-1
1.Amizade – Ficção 2.Berlin (Alemanha) – Ficção 3.Ficção irlandesa 4. Jovens – Ficção I. Título.
(R)

2 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *