Relato de um Náufrago
– Gabriel García Márquez

Na noite que antecedeu o retorno, dos Estados Unidos para a Colômbia, do destróier Caldas, da frota da marinha colombiana, onde havia sido reparado, um grupo de marinheiros preparou uma festa de despedida.

Beberam muito uísque, abraçaram e beijaram as namoradas que estavam deixando para traz, saíram do descanso forçado provocado pela reforma da embarcação e assumiram seus postos de trabalho.

Curtindo a ressaca

Ao enfrentarem uma tempestade no mar do Caribe, o comando do Caldas determinou que oito tripulantes parassem de curtir a ressaca, em seus aposentos, e subissem para contrabalançar a embarcação, desalinhada pelas fortes ondas.

Entre os tripulantes estava o protagonista da história, Luís Alexandre Velasco.

Onda pra lá, onda pra cá, os oito tripulantes foram arremessados ao mar, juntamente com um carregamento, nada comum para uma embarcação de defesa nacional.

Ditadura muambeira

O destróier carregava contrabando de eletrodomésticos, trazidos dos Estados Unidos para a Colômbia, enquanto o país vivia sob a ditadura militar do general Gustavo Rojas Pinilla.

Velasco, o único sobrevivente entre os que caíram no mar, conseguiu agarrar-se a uma balsa e ficar dez dias, a deriva, lutando pela sobrevivência, sem comer e beber.

Enquanto a marinha colombiana anunciava a inexistência de sobreviventes, Velasco, foi levado pelas correntes marinhas.

Após dez dias de convivências com tubarões, gaivotas e fantasma, de um dos companheiros que não sobreviveu a fúria do mar, arrastou-se até a terra firme e pediu ajuda de moradores, que o levaram, em comitiva, à busca de cuidados médicos.

Mídia capitalista

barco-a-deriva-1Surpresa, com a sobrevivência de Velasco, a marinha colombiana manteve a versão dos fatos, contudo, o transformou em herói nacional.

Enquanto isso, o náufrago, ganhava dinheiro com propaganda das marcas do relógio e dos sapatos que usava, por terem resistido às intempéries.

Esquecido pelo sistema político que o projetou, Velasco, resolveu procurar o jornal El Espectador e revelar a sua versão da história.

Assim, o jovem jornalista, Gabriel García Márquez, ouve o náufrago e publica em quatorze dias consecutivos a verdadeira história.

Registro dos fatos

O fato toma novo rumo e, apesar das tentativas de ingerência dos militares para impedir a divulgação, a narrativa tornou-se de interesse do público.

O texto não tem a forma característica de outras obras do autor.

Não se trata de mais uma obra idealizada por um dos gênios da literatura, mas, a aventura real de Luís Alexandre Velasco.

“há livros que não são de quem os escreve, mas de quem os sofre, e este é um deles”.

Gabriel José García Márquez

gabriel-jose-garcia-marquez-2

Gabriel García Márquez nasceu em 6 de março de 1927, na cidade de Aracataca, Colômbia.

Seus pais, Gabriel Eligio García e Luisa Santiaga Márquez, tiveram ao todo onze filhos.

Logo depois que García Márquez nasceu o seu pai se tornou um farmacêutico.

Dois anos após o nascimento do escritor seus pais se mudaram para Barranquilla. García Márquez permaneceu em Aracataca em companhia dos seus avós maternos, Nicolás Ricardo Márquez Mejía e Tranquilina Iguarán.

Aos oito anos, com a morte do avô, o escritor se mudou para Barranquilla (casa dos pais) e iniciou seus estudos no Liceu Nacional de Zipaquirá.

Em Bogotá cursou direito e ciências políticas na universidade nacional da Colômbia, mas abandonou a universidade antes da conclusão do curso.

Casou-se, em Barranquilha no México, com Mercedes Barcha com quem teve dois filhos, Rodrigo e Gonzalo.

Influências na obra do autor

as-mil-e-uma-noites-2Seu avô materno era um veterano da Guerra dos Mil Dias e suas histórias seduziram o neto.

Além dos contos baseados na coleção de histórias ‘As Mil e Uma Noites’ a sua avó Tranquilina, também, influenciou a criatividade do autor.

A adolescência de Gabo, como o autor era conhecido, foi marcada por livros. Um em especial chamou a sua atenção: A Metamorfose, de Franz Kafka.

Gabo se permitiu extrapolar a barreira da forma tradicional de contar histórias depois de ler Kafka.

Ora, se Kafka podia transformar o protagonista Grégor Samsa em um inseto, então, ele, também, poderia usar a ficção como forma impositiva sobre a realidade das suas histórias políticas, sociais e regionais.

Este fato resultou na criação do conhecido ‘Realismo Mágico ou Fantástico’ na literatura latino-americana.

Gabriel Márquez escolheu para sua referência William Faulkner, considerado um dos maiores escritores estadunidenses do século XX.

Trabalhos, obras e prêmios

gabriel-garcia-marquez-5Gabriel García Márquez trabalhou como jornalista em vários periódicos da Colômbia e desempenhou trabalhos, como correspondente internacional na Europa e nos Estados Unidos.

É considerado um dos escritores mais importantes do século XX. Seus livros foram traduzidos em 36 idiomas e vendeu mais de 40 milhões de livros.

Escreveu: O enterro do diabo: A revoada (1955), Maria dos prazeres, Relato de um náufrago (1955), A sesta de terça-feira, Ninguém escreve ao coronel (1961), Os funerais da mamãe grande (1962), Má hora: o veneno da madrugada, Cem anos de solidão (1967), A última viagem do navio fantasma, Entre amigos, A incrível e triste história de Cândida Eréndira e sua avó desalmada, Um senhor muito velho com umas asas enormes, Olhos de cão azul, O outono do Patriarca, Como contar um conto (1947-1972), Crônica de uma morte anunciada (1981), Textos do caribe, Cheiro de goiaba, O verão feliz da senhora Forbes, O Amor nos tempos do cólera (1985), A aventura de Miguel Littín Clandestino no Chile, O general em seu labirinto, Doze contos peregrinos (1992), Do amor e outros demônios (1994), Notícia de um Sequestro (1996), Memória de minhas putas tristes, dentre outros trabalhos.

Em 2002, após ter sido diagnosticado um câncer linfático, publicou sua autobiografia ‘Viver para contar’.

Recebeu os seguintes prêmios: Prêmio de Novela ESSO por “má hora: o veneno da madrugada” (1961), Doutor Honoris Causa da Universidade de Columbia em Nova Iorque (1971), Prêmio Internacional Neustadt de Literatura em 1972, Medalha da Legião Francesa em Paris (1981), Condecoração Águila Azteca no México (1982), Nobel de Literatura (1982), Prêmio quarenta anos do Círculo de jornalistas de Bogotá (1985), Membro honorário do Instituto Caro y Cuervo em Bogotá (1993), Doutor Honoris Causa da Universidade de Cádiz (1994).

Morte

gabriel-garcia-marquez-6Em 2009 García Márquez declarou que não pretendia escrever mais livros.

A notícia foi confirmada, mais tarde, quando o seu irmão, Jaime Garcia Marquez, anunciou que o escritor foi diagnosticado com uma demência, embora estivesse em bom estado físico, havia perdido a memória.

O autor lutava contra a reincidência de um câncer que atingia seus pulmões, gânglios e fígado. Morreu em 17 de abril de 2014 na Cidade do México, vítima de uma pneumonia, após completar 87 anos.

Informações Bibliográficas

García Márquez, Gabriel, 1928 – 2014
Retrato de um náufrago / Gabriel García Márquez; tradução Remy Gorga; Ilustrações de Caribé. 35ª ed. – Rio de Janeiro: Record, 2009.
134p.
Tradução de: Relato de un naufrago
ISBN 978-85-01-01120-6
1. Velasco, Luís Alejandro. 2. Sobrevivência (após acidentes aéreos, náufragos etc.). 3. Marinheiros – Colômbia – Biografia. I. Título.
(R)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *